sexta-feira, 5 de junho de 2009

Maturidade

A minha maturidade grita no espelho
E eu a julgo louca que me afaga.
Já identifico-me sem medo.
Garras,afobações, falta de saliva para quê?
Estou feliz por um segundo
Caminho e os olhos seguem as paredes brancas.
Ensaio até um sorriso.
Certeza do que me faz gente.
Louca maturidade, porque veio?
Abri a porta,não a deixo.
Caminho e olhos seguem pedras portuguesas.
Respiro sem ensaio.
Certeza que me sopra o Bem.
Imagem dói mas a realidade bate.
O que julgo é pior.
Estou tranquila por momento.
Caminho e olhos seguem pisos de madeira.
Pisco naturalmente.
Certeza que estou no meu lugar, bem.

6 comentários:

Cadinho RoCo disse...

Muito bom estar de bem com o próprio eu.
Cadinho RoCo

Natália A. disse...

Bravo Madame, bela poesia. ♥
Como sempre..
Mas em especial..


A minha maturidade grita no espelho
E eu a julgo louca que me afaga.
Já identifico-me sem medo.
Garras,afobações, falta de saliva para quê?

Keidy Lee Jones disse...

Estava falando com uma amiga que a verdadeira maturidade está na infância.

Linda poesia.
abs.

Vanuci Watson disse...

nossa, é verdade...

uma hora tds crescemos

Poetíssima disse...

Me lembrou 'Reflexo' de Meireles..

amei.. parabéns!

Romyna disse...

Lalis, sempre que visito seu blog, surpreendo-me com a maturidade dos seus versos. Você faz um belíssimo trabalho, moça. Te adoro. Beijo grande!