sábado, 17 de janeiro de 2009

Acaso

E como será se o acaso me segurar pelos cabelos?
Respirar no meu ouvido, arrepiar os pêlos.
Prometo tentar não racionalizar.
Também nem vou ter tempo de pensar.
Acaso é assim, corro dele involuntariamente.
É menino, é homem, meio bicho, meio gente.
Se me alcançar o deixo livre sobre minhas vontades.
Faça o que quiser de mim.
Talvez nem seja ruim.
Abraçar o inesperado.
Ás vezes é bom ficar parado.
Acaso vou te avisar:
Adoro comer e engolir o apaixonar.

2 comentários:

Tangerina disse...

Um dos que mais gostei até agora. Quantas sensações!

Sara S. disse...

Por vezes o acaso traz-nos as melhores coisas, por vezes não. Pode ser que desta seja um acaso optimista.
Já agora, propus um desafio no meu blogue. Caso haja vontade de participar é só ir lá ver as regras. É simples. Beijinhos