sábado, 6 de dezembro de 2008

Solidão

Solidão que beija abraça..faz apertar.
E o pior: meu pensamento só vem sufocar.
Chego á gostar até.
Sinto que ela inclusive rouba minha fé.
Me despe, me engole, me desmonta.
E por dentro da minha vida afronta.
Afronta a felicidade suposta.
Rabisca vazio na pior posta.
A posta do sentimento esperança.
Sopra desilusão na minha andança.
Faz jorrar água do espelho da alma.
Tira o perfume da palma.
Escurece e não desperta a alma.
Silencia somente.
Me faz ver que ainda tenho a pior porção de ser gente.
Ah minha solidão, como posso gostar de ti.
Como vc permite que eu possa te sentir!!!
Estou gostando tanto da sua presença.
Que nem espero que o acaso te vença.
Me dobro á tua força e magnitude.
Pois consegue até sossegar minha imensa inquietude.
Consigo amar teus momentos cruéis inclusive.
Como se nunca longe de vc eu sequer estive.
Talvez nosso contato se firme no intocável.
Essa coisa minha inalcansável.
Vc me têm.
Mas eu nunca sei quando partes ou vêm.
Não consigo pedir que me deixes.
Estou presa demais aos teus feixes.
Não sei te amaldiçôo ou venho agradecer.
Não sei bem escolher.
Por favor...
Recolha-se sem deixar vazio, me faça esse favor.
Pare de ocupar os meus espaços.
De construir comigo tantos laços.
Não mostre-me mais como é onipresente.
Já percebi como é quando estás ausente.
Mas se tudo é dor me permita escolher.
Nem que seja pra ver.
Que nunca vou deixar de precisar de vc.

7 comentários:

Luciana disse...

Primeira vez no teu blog.

Adorei a poesia, quem me dera poder ter uma relação "saudável" com minha solidão.


Abraço. ^^

Poetinha Feia disse...

Que lindo!!! Eu tbm amo a solidão, tenho uma necessidade de estar só e me sentir completamente sozinha.
Eu preciso tanto da minha solidão, mesmo quando estou acompanhada e algumas pessoas simplesmente não entendem... fazer o quê?

Paciência... essa já não tenho tanto.

Bom passar por aqui.

Bjos

Nyc!nha Angel disse...

Lindo...!
Na dúvida de agradecer ou amaldiçoar a solidão, agradeça-a... Afinal se não fosse ela não teria nascido uma poesia como essa...;D

BJão FLor!

Ruan disse...

"[...]Pare de ocupar os meus espaços.
De construir comigo tantos laços.
Não mostre-me mais como é onipresente.
Já percebi como é quando estás ausente.
Mas se tudo é dor me permita escolher.
Nem que seja pra ver.
Que nunca vou deixar de precisar de vc."


Disse um pouco do que eu queria ouvir. Dificilmente ouço/leio o que gostaria. Encontro verdades que sempre não são minhas.
(?)
Abraço

Sara S. disse...

É de facto pouco comum poder constituir uma boa relação com a solidão, mas essa não deverá ser a principal, as principais deverão ser com a vida e as boas coisas que ela traz, contando com a familia e amigos claro.
Um bom poema. bjs

Tato Barba disse...

Quase uma personificação da Solidão; como é?
Sim! Solidão com S maiúsculo, pois é o nome da senhora que lhe toma de assalto... rs

hehe...

Abração!

Eliana Mara disse...

Adorei aqui. Lindo blog. Trajetória pelo sensível. E Clarice.

Beijos