quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Chegada

Por um momento em carne-viva.
As células gritando.
Pedindo som, cantando.
Só chegue se for pra me beijar.
Roubar meu fôlego, um breve matar.
Silêncio nas amídalas.
As intenções cansadas, caídas.
A favor total do involuntário.
Desejo sem qualquer itinerário.
Só chegue se for para levar as últimas consequências.
Venha com suas pausas e intermitências.
Ainda permito seu tempo, suas carências.
Por um momento sem presilhas.
Abrindo zíperes, fechecler e botões.
Quero vc liberto, sem intenções.
Premeditadas só nossas risadas.

4 comentários:

Henrique disse...

ai que lindo!

eu vou chorar!

fodaaaaaaaaa Eulália, isso é foda! eu vou musicar isso:

Por um momento sem presilhas.
Abrindo zíperes, fechecler e botões.
Quero vc liberto, sem intenções.
Premeditadas só nossas risadas.


beijo de arrebentos de borões

Poetinha Feia disse...

Que lindo!!!!

Como vc consegue "empoemar" coisas banais e cotidianas com palavras lindas.

Tudo milimetricamente escrito, cada palavra em seu devido lugar... lindo!!!

Amei...

Bjocas

Tato Barba disse...

Tanta espera nos mata!

Nyc!nha Angel disse...

"Quero vc liberto sem intenções..."

Nóóóóóóó!!!
Muito bom!