domingo, 12 de outubro de 2008

Sua

Serei sua se sorrir.
Mas tenho de te advertir.
Quero você cem por cento.
Estarei para você incondicionalmente.
Entregue, desperta, sentimental.
Nada de pólo negativos, fatal.
Carinhos na balança.
E as intimidades nas mudança.
Serei sua.
Preenchida ou nua.
Mas tua.
Entregue, desperta, sentimental.
Carregando o meu e o teu mal.
Apagando fogos, carregando enxames.
Aguentando desassossegos mesmo que reclames.
Mas tenho de te advertir.
Quero todo o teu permitir.
Seu profundo existir.
Cem por cento.
Assim serei só sua.
Seu Sol, Estrelas, sua Lua.
Sua pedra bruta.
Sua deliciosa luta.
A bailarina gentil.
A gueixa servil.
Simplesmente tua.
No corpo, na mente e na rua.
Curta e possessivamente.
Na palma da mão sua, estranhamente.
Somente sua (se sorrir)

4 comentários:

ANA DINIZ disse...

Concordo plenamente com vc: não há paixão sem entrega (mútua).


Beijos.

Ana

O Profeta disse...

SEr teu terá que ser a cem por cento...eu não faria por menos...


Doce beijo

instantes e momentos disse...

vim conhecer e gostei daqui. Muito.
Tenha um belo final de semana.
Maurizio

Gerlane disse...

Texto deliciosamente livre e leve! A espontaneidade da entrega é nele transmitida.

Beijos te deixo!