terça-feira, 26 de agosto de 2008

Agora

Agora entendi.
A graça não está em ti.
Mas no meu jeito de te compelir.
Agora senti.
Que o teu desejo não vem me possuir.
Eu que decido se vou ou não te engolir.
Agora sorri.
Suas palavras ainda me fazem rir.
Mas não me elevam a ti.
Agora estou aqui.
Tentando te advertir.
Que pra sempre eu não estarei aqui.

5 comentários:

Tato Barba disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tato Barba disse...

Oi moça, tudo bom?
Espero que sim...

Olha, adorei o poema, achei-o muito sonoro! =]

E, agora, depois de lê-lo, tenho um pedido a lhe fazer =/

Tu me deixaria musica-lo?

Bom, é isso...

Abraço!

Ah, e parabéns! =]

Tato Barba disse...

Oi de novo! =}

Bom, eu acabei de terminar a música. Tive que mudar alguns versos para encaixa-los na harmonia, algum problema?

Apesar de que tu nem aceitou ainda, né? rsrs

Enfim, de qualquer forma, a letra ficou assim:

Agora

Agora entendi.
A graça não está em ti,
Mas no meu jeito de te compelir.

Agora senti.
Que o teu desejo não vem me possuir,
E que eu decido se vou ou não te engolir.

Agora sorri.
Suas palavras ainda me fazem rir,
Mas já não me levam pra ti.

Agora e aqui,
Eu tento te advertir
Que eu estou prestes a partir.

Agora,
Agora e aqui.
Agora,
Agora sorri.
Agora,
Agora senti.
Agora,
Agora entendi.

Agora...

Tato Barba disse...

Gostou???

Tato Barba disse...

Pooooxaaaaaaa, que bom!
Fico muito feliz!

Agora, se possível, passe-me seu nome completo, afinal, preciso lhe dar os devidos créditos da letra, quando eu for registra-la. Ok?

Abraço, e muitíssimo obrigado!