terça-feira, 29 de julho de 2008

Corpo analisado

Fragrância doce pelo ar.
Faço perguntas mas a boca está a calar.
Olhos marejantes de dor, mas cobertos de esperança.
Será que é o braço duro e seguro da mudança?
Respirar buscando ser embalada.
Aconchego e proteção.
Encapar com flores e aromas meu coração.
Sentir que existe beleza nas coisas além da própria paisagem.
Não se embrutecer com os espinhos da "viagem".
Enxergar a grandeza e plenitude do sentido de viver.
Amor num laço profundo, sem nunca se desfazer.

4 comentários:

Ana Diniz disse...

Querida,

o verdadeiro amor estabelece laços profundos com o ser. Amar assim, como já amei é algo típico de nós poetas. Muito pouco superficiais, amamos intensos até o fim.

Tem poema novo lá no blog, maior que aquele e bem mais apaixonado... Dei um pedaço da alma para fazê-lo...

BEIJOS.

Henrique disse...

digo que esse poema é de uma verdadeira poeta!

Classe, beleza, delicadeza, sensibilidade, tudo de bom!

beijo grande que encape com flores e aromas o seu coração.

Poetinha Feia disse...

A sensibilidade e a delicadeza extravasam o poema.
Muito bom mesmo.
Tenho sempre uma ótima surpresa ao passar por aqui.
Parabéns!
Até mais...

Tato Barba disse...

Menina, quanta sensibilidade!

Adoro os escritos e a frequência com que são postados.
Tu produz a bessa! Muito bom!

Beijão!