sábado, 3 de maio de 2008

Abelha destilando mel

Juízo e sentido
Mastigo até o sumo
Retiro teu prumo.
Te consumo!
Bebo o suor
num gole só.
Não tenha dó
Faça o mesmo comigo.
Crave os dentes no meu umbigo.
Sim perdi o equilíbrio ao te ver
Inventei um modo de te enlouquecer.
Quer pagar pra ver?
Faça eu me calar
Roube meu fôlego no beijar
Faca-me rir para eu alucinar.
Roça loucura na minha orelha
Eu pago por essa perversão cifrada em centelha.
Vou virar abelha destilando mel.
(Eulália Marques)

2 comentários:

Keidy Lee Jones disse...

Lindo post.

Bom domingo.

Paloma disse...

Vc comentou no blogg da Duda..só que os textos que ela coloca lá não são dela..são de uma escritora chamada Tati Bernardi..se quiser conferir basta entrar no site da escritora www.tatibernardi.com.br