segunda-feira, 5 de maio de 2008

Fecho a porta

Fecho a porta
Cada vez menos alguma coisa importa.
Sou displicente não espere
Chegue com personalidade
Não espere oportunidades.
Só deixo me pegar quem eu quero.
Fecho a porta
Se abandono é pra sempre
Não venha, talvez tente.
Seja impulsivo
Dê vasão a paixão de modo incisivo
Como um corte aberto
Te quero por perto.
O contraditório faz parte
Não é questão de alarde
Mas de entrega
O amor é piegas!
Porque não vêes como eu?
Porque torna tudo irascível, escuro, um breu?!
Fecho a porta
Não vou esperar uma suposta atitude
Te falta a vontade, e alguma pitada de ilicitude.
Eu sou o próprio corte.
E nada pode impedir essa morte.
Não é questão de alarde
Faz parte.
Essa minha louca entrega.
Nunca nega.

3 comentários:

FINA FLOR disse...

gostei do : seja impulsivo, rs*

tbm gosto.

beijos, querida

MM.

Nyc!nha Angel disse...

Queria poder dizer algo original, mas todas as palavras citada me tiraram inspiração para tal. Simplismente ADOREI!

Anita disse...

"O contraditório faz parte"...
...não diria melhor!

Gostei!
Beijo*

(sabe tão bem receber visitas inesperadas!)