quarta-feira, 15 de julho de 2009

Colada

Colada a minha boca o fôlego desenfreado.
Calma você sopra desesperado.
Colada em minha vida o querer.
Quero mais tempo e assim o perder.
Colada a minha solidão um desassossego.
De mãos dadas meu desejo e o medo.
Colado ao teu ouvido o meu suspirar.
Mesmo querendo vc pede para (não) parar.
Colado a vontade os corações dispostos.
E do seu mastigar eu gosto.
Colado aos meus olhos a derramada madrugada.
E morrem os barulhos, vê-se a cena congelada.
Colada a minha alma os sentimentos em vastidão.
O grito sussurado, o sim e o não.
Colada, a minha pele.
Prefiro junto, não fere.
Colada a minha mente, o ínicio e o fim.
Sim, é assim.

7 comentários:

Poetíssima disse...

'grito sussurrado'


Eu amei isso.

Abraços da Poetíssima!

Natália A. disse...

'grito sussurrado'


Eu amei isso.[2]

Beijo Madame!

Fê Colcerniani Justo disse...

Sempre intensa! Adoro
Saudades
Bjs

O Profeta disse...

Ao meu querer!
Dias noites, estações esquecidas
Inventei sonhos para sonhar
Lavei mágoas, dores perdidas

Uma árvore toca as águas da lagoa
O nevoeiro faz desenhos nas cumeeiras
Um Melro negro solta um pio ao acaso
A palavra quero-te diz-se de mil maneiras


Convido-te a ver a Cor da Claridade


Doce beijo

Sabrina MCosta disse...

PQP
amei o texto,
axo que as palavras
se encaixaram e o efeito surtiu
=*

Tato Barba disse...

Nega branca do cabelo liso, você está escrevendo demais! rs

Assim, eu me acabo. =]

Beijo grande!

Peggy disse...

...
solto!!
colada o grito de prazer
e de dor...
que delícia de textooooooo!!

BjO