domingo, 8 de fevereiro de 2009

Assim

Eu fiz assim...
E com um sorriso tímido vi que nem foi ruim.
Me senti catando conchinhas na beira d´água.
Com a sutileza da onda que embalava.
É eu me vi assim...
Desprovida das cascas só com os pés.
E mesmo correndo o risco do revés.
Sem medo, só de asas batendo.
Esquecendo das feridas que sempre ficavam doendo.
Por momentos assim...
E despida vi que podia sim.
Ver que tudo é meio cíclico,meio absurdamente tradicional.
E eu que sempre sou ardentemente passional
Fiz assim...
Realizei pequenas sem fim.
Degustei as partículas do que eu chamo de prazer.
É...eu pude me ver.
Assim...

2 comentários:

Tangerina disse...

Outro poema que me faz visualizar.
Adoro isso..

Lindo!
Um beijo

O Profeta disse...

És...imensa...tanto...assim...


Doce beijo