quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Polaroid urbana

Sou uma polaroid urbana.
Bebo madrugada para acordar poeta.
E das rimas faço-me até o caroço.
Despisto os rótulos para vestir liverdade.
Engulo frases de efeito para mascar sabedoria.
Decifro e devoro as inutilidades dessa vida.
Me faço de mocinha, bandida e cinderela.
Sonho com a casa no campo breijeira.
Planto livros e discos.
Classifica-me quem quer.
Sou favorita do acaso.
Descrente do destino.
E peça central da vida.
A velocidade da luz movimenta meus pesamentos.
Meu desejo engole vida pra amadurecer.
Sinto o passado mas não o quero ver de perto.
Suspiro presente mas sem açúcar.
Sou coadjuvante de cinema.
E camaleoa de mim mesma.
Sou polaroid urbana.
Despejo sensibilidade pra quem queira sentir.
E corto á polegadas quem queira me tolir.
Danço na ponta dos pé no cotidiano.
Dou gargalhadas dos rituais e regras.
Esbanjo contradições por puro prazer.
Simplesmente Sou.

7 comentários:

Carol Vidal disse...

Nossa, que honra receber um comentário desses de uma pessoa que escreve tão bem! =)

Obrigada pela visita!
Vc e seus comentários são sempre bem vindos por lá...

Beijão!

Nyh! Marinho. disse...

Engraçado tava pensando tanto nessa palavra hj, "tolir"... rs.
O acaso nunca me tomou como favorita e o destino deve me odiar absurdamente!
=/ rs
Bjão flor!

Poetinha Feia disse...

Olá!!!

Simplesmente ótimo!

Essa coisa de pós-moderno bem forte, gritando mesmo... rsrs.

"Bebo madrugada para acordar poeta."
"Sou polaroid urbana"

Isso é lindo!!!

Bjinhoss

Navarro disse...

Muito bom. Gotei mesmo. Achei fantástica até mesmo a confusão que sinto ao ler o que você é.Parece-me que foi deliberado, correto? Achei que você passou muito bem a complexidade do ser. Passarei mais vezes!
Parabéns, novamente.

Henrique disse...

minha ídala! hauahuahuaha


BRAVO

Tangerina disse...

Que linda, a foto combinou e ficou linda!

Keidy Lee Jones disse...

Suspiros de mundo.

Beijo, saudades de passar por aqui, tava meio ocupada.


Beijão