terça-feira, 2 de setembro de 2008

Declaração masculina

Amo sua boca e seu modo de falar.
Pior, amo teu jeito de me machucar!
Amo seu olhar perturbador.
E tua força de fazer amor ( se entregando)
Amo teu jeito de olhar ( me acalmando)
As palavras derramadas que me fazem apaixonar.
Pior, amo o gênio forte que te faz brigar.
Amo sua simplicidade de sorrir.
E todos os teus motivos de estar aqui.
Pior, amo a tua ausência! E o silêncio da tua presença.
Pois quando estás comigo, és tão intensa.
Amo tuas interpretações do banal.
E o jeito de engrandecer tudo que é genial.
Amo o modo como mudou o meu viver.
Eu bicho grilo que não sabia o que era ter.
Ter alguém assim.
Que me completa e fim.

7 comentários:

O Profeta disse...

Apaixonante e arrebatador texto...amas assim?


Doce beijo

Tato Barba disse...

Olá, tudo bom?
Espero que sim... ^^

Gostei da intensidade do texto!
Acredito que o amor, de fato, desperta certa dependência, certa vassalagem, bem como a necessidade e o querer pra si.

Muito bom! ^^

Liquificadorizando disse...

Poesia para ser lida no fim da tarde, com leite, biscoito e uma boa companhia.

Parabéns!

francaceleste disse...

ah Lalinha...tempo que não venho aqui,mas foi arrebatador esse texto,ando sensível,e tu continuas com essa alma sensível de poeta,lindíssimo,doce e entregue,estava com saudade deveras...

beijo minha flôr!

Keidy Lee Jones disse...

E viva o amor!

O Profeta disse...

Onde acaba a terra e começa o Mar
Há um lugar onde vive a ilusão
Repousa na madrepérola das conchas
Com a forma de um coração

Onde as giestas se agarram à areia
Onde as pedras têm diadema de algas
Onde o Mar conta histórias longínquas
Onde as vagas soltam distantes mágoas


Bom domingo



Mágico beijo

Henrique disse...

Não consegue, a declaração masculina é bem menos profunda e pouco segura, só tem clichê!

Vc é fantástica! Tá sempre saindo de si e voltando se equilibrando e dançando no paralelepípedo quando o faz.